Quality control typed on a piece of paper in the palm of a hand

Mensurar para a melhoria de qualidade

A mensuração tem sido usada há séculos na pesquisa, mas mais recentemente se tornou a pedra angular do benchmarking e do escrutínio na área da saúde.

Ela também é aplicada por meio de várias metodologias para melhorar a qualidade e a taxa de falhas nas indústrias de manufatura, sendo que essas abordagens são amplamente utilizadas na área da saúde

A captura de dados é um fator-chave na criação de medidas de intervenções de Stewardship. Os sistemas eletrônicos podem capturar dados para fornecer informações quantitativas para monitorar tendências longitudinais, mas para muitas intervenções de assistência médica, a coleta manual de dados por meio de auditoria clínica pode ser necessária para apoiar a melhoria na prática.

O uso da metodologia de melhoria da qualidade na área da saúde expandiu-se rapidamente nos últimos dez anos. Isso começou nos Estados Unidos, com vários provedores de assistência médica lidando com deficiências em seus sistemas, o que estava levando a altos custos com litígios, apoiados pelo Institute for Healthcare Improvement (IHI). A melhoria da qualidade na área da saúde é agora generalizada em toda a Europa, América do Norte, Canadá e Austrália. Grande parte da experiência e das ferramentas utilizadas na melhoria da qualidade se originou nas indústrias fabris e da aviação, que melhoraram radicalmente a segurança nos últimos 25 anos.

Já consideramos por que a mensuração é importante, mas quando queremos começar a coletar dados, precisamos pensar cuidadosamente sobre nossos motivos específicos para coletá-los, pois isso informará o tipo e a quantidade de dados que precisamos coletar.

Existem três razões para coletar dados:

  1. Pesquisa para gerar evidência

  2. Responsabilização - julgamento ou escrutínio do desempenho

  3. Melhoria da qualidade

Esta tabela compara os fatores importantes para decidir de quais tipos de dados precisamos:

Isso mostra uma tabela com três colunas e quatro linhas. As colunas são intituladas "Melhoria", "Responsabilidade" e "Pesquisa". As linhas são "Propósito", "Dados", "Duração", "Análise". A finalidade dos dados de melhoria é, portanto, descrita como "Compreensão do processo, Avaliação da mudança e para trazer novos conhecimentos para a prática diária". A prestação de contas deve trazer comparação e segurança, enquanto o objetivo da pesquisa é descobrir novos conhecimentos. O fator importante para os dados de melhoria é "Reunir apenas dados suficientes para aprender e completar outro ciclo", enquanto os dados para prestação de contas podem exigir "grandes quantidades de dados" e para pesquisa "coletar o máximo de dados possível". A duração da coleta de dados para melhoria é "pequenos testes de mudança significativa que acelera a taxa de melhoria. Curto e atual", enquanto que para a responsabilização, a duração será "Longos períodos de tempo. Longo e passado" e para pesquisa "Pode demorar muitos períodos de tempo para obter resultados. Longo e passado "A comparação final é para análise de dados: Para melhoria use" Executar gráficos ou processo estatístico ou cartas de controle "; para prestação de contas "tabelas de classificação, alcance da meta" e para a pesquisa "Testes estatísticos tradicionais"

Ao ler isso, considere qual dessas abordagens seria a mais adequada para lidar com o cenário de surto de beta-lactamases de amplo espectro (ESBL).

MELHORIA - a coleta frequente de dados em tempo real pode ajudar a prevenir a disseminação e identificar quaisquer riscos devido a não conformidade com as políticas de prevenção de infecção e uso de antimicrobianos.

RESPONSABILIZAÇÃO - se esta não for uma incidência isolada de infecção por ESBL, pode ser útil estabelecer metas para alas ou hospitais para garantir o cumprimento das políticas de prevenção de infecção e uso de antimicrobianos.

PESQUISA - como acontece com todas as infecções emergentes, a pesquisa é essencial para obter uma melhor compreensão de como a resistência se espalha e quais medidas são mais eficazes para contê-las.

Não há resposta certa no caso do surto de ESBL, pois todas as abordagens seriam adequadas, mas cada uma precisará de diferentes períodos de tempo para ter um impacto.

Se uma mudança urgente na prática fosse necessária, então a abordagem de melhoria seria melhor, pois isso pode começar a ter um impacto em pequena escala em questão de dias. Para que isso seja eficaz, seria necessário concentrar-se em uma ala, inicialmente trabalhando com um pequeno grupo de funcionários e realizando muitos pequenos testes de mudança.

Para mudanças em escala maiores, a coleta de dados para prestação de contas pode ser melhor, com auditorias em várias alas e feedback para a equipe. Isso levará tempo para estabelecer uma linha de base, definir metas e uma nova auditoria regular para determinar se a prática está mudando.

Uma abordagem de pesquisa pode ser útil, talvez além das outras duas, porque tem o potencial de gerar dados robustos sobre o impacto das mudanças no processo e nos resultados do paciente. Esse seria um objetivo de longo prazo e exigiria recursos para implementar.

Assim, embora cada um possa ser útil, em curto prazo, a abordagem de melhoria pode tornar os cuidados com o paciente mais seguros e reduzir o risco de disseminação.

Share this article:

This article is from the free online course:

Stewardship de Antimicrobianos: Gerenciamento da Resistência Antimicrobiana

University of Dundee