Want to keep learning?

This content is taken from the University of Dundee & BSAC's online course, Stewardship de Antimicrobianos: Gerenciamento da Resistência Antimicrobiana. Join the course to learn more.
Ray of coloured lights moving from a central position outwards
The Beginning

Algumas ideias sobre como e onde começar

Em 2.3 e 2.4, algumas questões de gerenciamento de antibióticos do vídeo foram identificadas e discutidas.

Neste artigo revisitamos algumas dessas questões e as vinculamos a possíveis “pontos de partida”, caso você estivesse tentando melhorar o Stewardship de Antimicrobianos na enfermaria.

Os pontos não estão listados em ordem de prioridade e não são exaustivos. Você pode ter ideias adicionais, talvez mais relevantes para o seu próprio ambiente de trabalho, e querer publicá-las para que outros alunos leiam e comentem.

Como geralmente é melhor começar pequeno e depois evoluir, você também pode considerar e comentar qual seria o seu “ponto de partida” preferido e por quê?

  1. Falta de conhecimento e de preocupação do pessoal do staff com a resistência aos antibióticos “não era nada para se preocupar demais”. Isto sugere que as pessoas não entendem as implicações da resistência aos antibióticos e / ou não a consideram uma prioridade. Melhorar a educação / formação do pessoal sobre resistência aos antibióticos, incluindo os potenciais papéis dos enfermeiros na administração de antibióticos e talvez integrá-los na educação e prevenção de infeções, educação / formação (a higiene também era um problema no cenário) pode valer a pena considerar.

  2. Má adesão ao aconselhamento de antibióticos feito pelo microbiologista e às diretrizes locais de tratamento com antibióticos “antibióticos de última geração, normalmente usados para tais casos”.Isso sugere uma relação de trabalho ruim entre pelo menos um médico da enfermaria sênior e o microbiologista e uma adesão abaixo da esperada às diretrizes locais. Poderia ser dada importância ao tema para melhorar isso, talvez através do estabelecimento de uma melhor comunicação e colaboração entre a enfermagem e microbiologia e / ou a equipe de Stewardship de Antimicrobianos, respondendo pelas preocupações de todos os envolvidos, levando a um consenso sobre como pacientes similares podem ser gerenciados no futuro e, talvez, gerando a implementação de novas diretrizes locais de tratamento com antibióticos. A adesão poderia então ser medida, monitorada longitudinalmente e um feedback poderia ser dado à equipe de saúde, algo que será considerado com mais profindidade na Semana 3.

  3. Duração da antibioticoterapia “ele normalmente diz 14 a 28 dias”. Poderia ser dada importância à duração do tratamento com antibióticos e aos controles que estão atualmente em vigor. Uma vantagem disso como um “ponto de partida” é que é relativamente fácil medir e monitorar a melhoria e, em seguida, o feedback para a equipe de saúde, algo que será considerado mais na Semana 3.

  4. Uma sugestão de uso inapropriado de antibióticos para profilaxia (em vez de terapia) “frequentemente ele gosta de usá-los [antibióticos de última geração] para prevenir tais infecções”, embora “não esteja nossa política”. Poderia ser dada importância às orientações de profilaxia antibiótica em vigor e em que medida isso é respeitado. Tal como acontece com a duração da terapia, é relativamente fácil medir e monitorar a melhoria e, em seguida, o feedback para a equipe de saúde, algo que será considerado mais profundamente na Semana 3.

  5. Nenhuma evidência no vídeo de médicos e farmacêuticos (ou de uma equipe de stewardship de antimicrobianos) trabalhando em conjunto para otimizar a prescrição. Pode-se considerar como os prescritores, os farmacêuticos e / ou a equipe de Stewardship de Antimicrobianos trabalham juntos e mantêm contato.

Share this article:

This article is from the free online course:

Stewardship de Antimicrobianos: Gerenciamento da Resistência Antimicrobiana

University of Dundee